Django Livre

A primeira vez que ouvi falar sobre “Django Livre” foi quando assisti “O Hobbit” e vi o pôster na antessala do Cinemark. Automaticamente já o adicionei na lista de “filmes para ver em 2013”. Primeiro por ser um filme de Tarantino e segundo porque me lembro bem do primeiro Django, western spaghetti, de 1966, estrelado por Franco Nero, que também deu vida ao ranger mais famoso do Velho Oeste, Tex Willer (falarei dele em um futuro próximo).

Django, a obra original

O Django de Franco Nero é um cult, ficou marcado para mim pela trilha sonora, as cenas com duelos de armas e o fato do protagonista arrastar um caixão durante o filme. Para um menino com menos de dez anos que assistia a seu primeiro filme de faroeste, não tenha dúvida que a cena seria inesquecível. Resumindo de forma grotesca, Django, um pistoleiro, busca vingança contra o homem que matou sua esposa e, é claro, consegue isto no final do filme. E se você se pergunta porque ele arrasta um caixão, não direi. Recomendo que assista o filme e descubra por si próprio.

E agora vamos falar sobre o Django de Tarantino. Esta versão que irá estrear esta semana não é ambientada  no Velho Oeste e sim nos Estados Unidos no período pré-guerra civil. Desta vez o personagem principal é um escravo libertado por um caçador de recompensas alemão, que irá lhe transformar em um justiceiro. Feito isto, Django inicia sua procura para reaver sua esposa, que é escrava do personagem de Leonardo DiCaprio.

A expectativa sobre o elenco

Não falarei mais sobre o filme mas focarei minhas palavras na expectativa sobre o elenco. Jamie Foxx pra mim é um bom ator mas cumpre aquilo para o que foi contratado. Samuel L. Jackson deve entrar apenas para reforçar o elenco. Kerry Washington nos dois “Quarteto Fantástico” não é suficiente para uma boa análise e “O Pequenino” é sofrível. Creio que a surpresa será com Leonardo DiCaprio, que para mim teve uma ótima atuação em “Os Infiltrados” e Christoph Waltz, vencedor do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante em “Bastardos Inglórios”, no papel do Coronel Hans Landa, e também indicado a mesma categoria em Django.

Posso estar errado em minhas opiniões, afinal é a minha primeira impressão e só posso afirmar depois deste final de semana após a estreia oficial do filme. E com certeza falarei dele novamente após assistí-lo, então, até breve.